Cine Debate "O Despertar do Amor"

25 Sep 2017

 Este foi nosso primeiro Debate e tivemos como tema "O Despertar do Amor". Foi exibido o curta Bastille, do filme "Paris, te amo", que contém dezoito curtas, filmados por diferentes diretores para cada distrito de Paris. Um filme que aborda o Amor, em suas infinitas formas. Para falar de Amor, é imprescindível que falemos sobre Perdas, afinal os dois caminham juntos nas relações. O amor implica o desejo relacionado à falta. 

 Depois de muitos estudos e preparações, o primeiro debate de um projeto sonhado a três, 

 E lá estávamos nós três, abrindo as portas da A Casa Frida, na véspera da primavera.

Após a exibição do curta, o debate foi iniciado com o que despertou em cada participante: remorso, amor, fantasias, cuidado, responsabilidades, dor, culpa, reparação, depressão...

 

 "e comportando-se como um homem apaixonado, ele converteu-se em um homem apaixonado" relata o narrador do filme. Que tipo de relação o personagem estabeleceu?  Erotismo, paixão, fetiche, amor materno, amor incondicional. Diversas formas de amar. O que une as pessoas em uma relação?

 

 O que faz com que as pessoas se deprimam? Quando perdemos alguém que amamos, que dor é essa que sentimos? As perdas nos colocam diretamente em contato com a impossibilidade de completude que tanto desejamos. 

 Diferentes opiniões e impressões foram levantadas. Conflito de gerações, conceitos, vivências. Um rico debate. 

O que definiria o luto patológico? Freud descreve que no luto normal a perda é consciente, o que diferenciaria do luto patológico onde a perda é radicalmente inconsciente. Ou seja, sabe-se quem perdeu, mas não se sabe o que foi perdido com o desaparecimento da pessoa amada. 

Traição, doença, egoísmo, ódio, compaixão, amor. Ele era um bom homem? Existe esse tipo de diferença entre os gêneros? O que teria feito uma mulher em seu lugar? Foram questões levantas pelos participantes. A psicanálise nos traz contribuições muito importante sobre a ambivalência das relações. Somos todos constituídos de ódio e amor, e é somente aceitando a nossa, e a ambivalência do outro, que podemos abrir uma caminho pra elaboração de uma perda. 

 

 

 Finalizamos o debate com o poema do Pablo Neruda que relacionamos com a história do curta. O protagonista, após a perda da esposa, entra em uma depressão que nunca mais se livrou e parecia buscar seu olhar em todos os casacos vermelhos que encontrava vestido em outras mulheres. Que olhar seria esse que ele tanto buscava? Seria o olhar de ser tudo para o outro? Poder completar todas as faltas? Isso seria possível em uma relação? O que vemos no outro são as projeções de nossas fantasias e de nós mesmos.

 

 

Foram apenas cinco minutos de filme, mas que pôde suscitar infinitas reflexões. A Casa Frida acredita que abrir espaços para se falar daquilo que foi perdido, e da angustia causada, seja uma possível maneira de ressignificar os inúmeros lutos que atravessamos durante a vida. Que seja o primeiro, de muitos debates que estão por vir! 

 

Compartilhar
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

© A CASA FRIDA | Desenvolvido por KG Design