Flamenco & Elaboração de Perdas

 

 

 

 

 

 

Realizamos uma roda sonhada há anos sobre a relação do Flamenco, o Luto e a Psicanálise. Um sonho que se concretizou ao som do David Caldeira e a nossa ”Frida Flamenca” Milene Muñoz. Abraçamos a morte ao som dos ”Tarantos” mas foi de mãos dadas com a vida que encerramos com ”Alegrias”!

A arte flamenca é uma dança que trabalha a transitoriedade do belo. Remete à finitude, cada ato é realizado como se fosse o último, por isso seu impacto tão profundo. A história do flamenco remete aos povos nômades, à transição de um povo rural para os centros urbanos, o início da burguesia. Nessa transição feudal, muitos povos perderam seu lugar e se concentraram em regiões da Andaluzia. Uma dança que exprime a cultura de um povo estrangeiro, o luto da perda do pertencimento. Segundo a psicanálise, somos um eu corporal, ou seja, há uma integração do psiquismo e do corpo. Nosso corpo não é feito apenas de carne, mas da representação mental que fazemos dele. Uma imagem mental do nosso corpo tal como o sentimos. Quando estamos diante de uma apresentação de arte, algo nos capta, nos hipnotiza ou não causa efeito algum.

Nessa linha levantamos algumas questões: Seria a arte uma possibilidade de elaboração de perdas? Houve alguma transmissão da arte flamenca como uma experiência?

Para que haja essa transmissão, é necessário que o espectador esteja disponível para essa experiência estética se deixando tocar pela força da obra. Poderíamos pensar que a função da arte é adormecer nossa consciência e nos despertar para nossos impulsos criadores? Sentir a beleza como uma sensação física e não apenas uma ideia pré concebida do que é belo?

Pensando nesse lugar do "estrangeiro" ocupado pelos povos nômades na origem da dança flamenca, poderíamos pensar a expressão dessa arte como uma forma de sublimação das pulsões desse povo sem pertencimento? Uma forma criadora e estética de dar um novo destino à libido (energia psíquica) que pode operar tanto pela vida ou pela morte?

Tivemos como convidada especial a artista Milene Muñoz, que fez um relato sobre como a dança flamenca a ajudou a lidar com as limitações impostas sobre seu corpo em função de uma doença autoimune.

A roda apostou na arte como um dos recursos para a elaboração do luto e expressão da dor.

Entendemos que o luto decorre não somente de perdas reais, morte ou abandono de uma pessoa querida, mas também de formas abstratas ou simbólicas. Poderia ser o flamenco a busca de um lugar de pertencimento familiar, uma alternativa para lidar com a angústia?

Pensar em elaboração de perdas, remete ao trabalho do luto mas no que ele consiste?A palavra trabalho vem da palavra latina “tripalium”, instrumento de tortura usado para punir escravos. Com a chegada do capitalismo, a noção de trabalho passou a significar a capacidade humana para transformar a natureza produzindo objetos que lhe permitem ultrapassar a condição natural e entrar para a ordem humana na cultura. Ou seja, o conceito de trabalho obtém um duplo sentido, ao mesmo tempo em que é um objeto de tortura e sofrimento, é uma transformação. Segundo Freud o trabalho do luto também possui um duplo sentido: despender energia psíquica no objeto perdido que exige um esforço penoso e o de superação/ transformação para o reinvestimento da libido em novos objetos após ter-se desvinculado do objeto amado inexistente. Elaboração de perdas, é justamente esse trabalho psíquico penoso de oposição do ego a abandonar uma posição libidinal e aceitar a perda que se atualiza no sofrimento.

Como dizia Federico Garcia Lorca, é necessário abraçar a morte e aceitar a finitude humana para se compreender o que é o flamenco.

No campo do projeto da Casa Frida, seguimos com nosso tema de pesquisa da arte como um recurso de elaboração da dor da perda, propondo espaços de compartilhamento de experiências e questionamentos.

A roda foi um grande marco no nosso projeto! Tema que nos inspira a prosseguir nossa pesquisa sobre o enigma do luto e a relação com as artes.
Tivemos ainda a participação especial da Paula Mandel que aceitou nosso convite em articular esses temas com tanta poesia!
Agradecemos aos 54 participantes que se deixaram tocar pela transitoriedade da experiência estética.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

© A CASA FRIDA | Desenvolvido por KG Design