Minicurso Franz Kafka: uma aproximação literária e psicanalítica



Material de Apoio:


Para o minicurso que acontecerá nos dias 28/9 e 05/10, recomendamos a leitura dos seguintes textos de Kafka:





“O veredicto”

“Na colônia penal”

“Diante da lei”


CLIQUE PARA BAIXAR O CONTO "Diante da Lei"



A leitura é opcional e apenas servirá de suporte ao conteúdo a ser abordado e o recorte proposto na obra do escritor.


Recomendamos as traduções de Modesto Carone, pela ed. Cia das letras.

Existem algumas publicações recentes da ed. Antofágica com traduções de Petê Rissatti.



Abaixo, uma parábola de Kafka, em duas traduções:



“Ele tem dois adversários: o primeiro acossa-o por trás, da origem. O segundo bloqueia-lhe o caminho à frente. Ele luta com ambos. Na verdade, o primeiro ajuda-o na luta contra o segundo, pois quer empurrá-lo para frente, e, do mesmo modo, o segundo o auxilia na luta contra o primeiro, uma vez que o empurra para trás. Mas isso é assim apenas teoricamente. Pois não há ali apenas os dois adversários, mas também ele mesmo, e quem sabe realmente de suas intenções? Seu sonho, porém, é em alguma ocasião, num momento imprevisto – e isso exigiria uma noite mais escura do que jamais o foi nenhuma noite –, saltar fora da linha de combate e ser alçado, por conta de sua experiência de luta, à posição de juiz sobre os adversários que lutam entre si.”

(compilado de Hannah Arendt. “Entre o Passado e o Futuro (Debates).” iBooks.


“Ele tem dois adversários: o primeiro combate-o por trás, da Origem; o outro barra-lhe o caminho para a frente. Ele luta contra os dois. Para dizer a verdade, o primeiro, propulsando-o, ajuda-o contra o outro, e, do mesmo modo, o outro, repelindo-o, ajuda-o contra o primeiro. Mas isto só em teoria. Pois não há só os dois adversários: existe também ele próprio – e quem conhece as próprias intenções? É o seu sonho que num momento inesperado – e deveria ser uma noite, tão escura como nunca houve igual – abandona o campo de batalha, elevado que foi, graças à sua experiência na luta, à condição de juiz dos dois adversários.”

(tradução de Otto Maria Carpeaux).